Webmail do Servidor
Manifestações Culturais
Share Button

Bumba meu boi 

O bumba-meu-boi, principal manifestação cultural popular do Maranhão, é uma brincadeira que mistura lendas indígenas, dança e música, além de uma indumentária caprichada e cheia de brilho.

No enredo, o peão Pai Francisco mata o boi mais bonito da fazenda onde trabalha, para satisfazer o desejo de sua esposa Catirina, que grávida, deseja comer a língua do animal. A desfeita deixa o dono da fazenda furioso e um grupo de índios é chamado para fazer rituais de pajelança e ressuscitar o novilho.


Sotaques

Festejado em todas as regiões do estado, o bumba meu boi tem diversos ritmos e estilos, conhecidos como sotaques; cada um com um ritmo, tipo de roupa, instrumento e coreografia próprios.

SOTAQUE DA BAIXADA

[Video not found]

SOTAQUE COSTA DE MÃO

[Video not found]

SOTAQUE DE MATRACA

[Video not found]

SOTAQUE DE ORQUESTRA

[Video not found]

SOTAQUE DE ZABUMBA

[Video not found]

 

Tambor de Crioula – Patrimônio Imaterial do Brasil

[Video not found]

Manifestação cultural de matriz afro-brasileira, reconhecida como Patrimônio Imaterial do Brasil pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) e pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico), o tambor de crioula mistura dança, canto e percussão de tambores. No carnaval, nos festejos juninos, em louvor a São Benedito ou associado a outras festas, o tambor de crioula não tem data específica e pode ocorrer ao longo de todo o ano, no interior de terreiros ou ao ar livre.

Com saias rodadas de chitão (tecido) florido, blusa branca com rendas e babados, torso na cabeça e colares, as dançarinas do tambor de crioula, chamadas de coureiras, se dispõem em formação circular e dançam diante dos percussionistas. Um passo tradicional na dança é a punga, ou pungada, uma espécie de cumprimento – feito com o toque do ventre – entre a coureira que vai sair da roda e outra que vai dançar no centro da formação.

Os tocadores e cantadores, os coureiros, tocam em um ritmo incessante na parelha, o conjunto de tambores formado pelo tambor grande, meião e crivador. Os cânticos são iniciados por um solista e acompanhados em coro pelos demais integrantes do grupo.

Saiba mais sobre o registro do tambor de crioula como Patrimônio Imaterial, clique aqui.

Tambor de mina

Diferente do tambor de crioula, o tambor de mina não é dançado como simples diversão e faz parte dos rituais da umbanda, religião afro-brasileira trazida pelos descendentes negros de origem jeje e nagô. O culto é realizado nos terreiros, onde os iniciados cultuam, invocam e incorporam entidades espirituais. Com roupas especiais para a ocasião, os integrantes cantam e tocam instrumentos como tambores, cabaças, triângulos e agogôs.

Entre as casas de culto religioso em São Luis, a mais antiga é a Casa das Minas, fundada no século XIX. Comandada por mulheres, é uma casa de culto aos voduns (entidades do reino africano de Dahomé atual Benin), pertencente ao vodum Zomadônu, da família real de Davice. Único terreno de mina-jeje de São Luís é muito visitada durante a Festa do Divino. Além da Casa das Minas, a Casa de Nagô e a Casa Fanti-Ashanti também merecem destaque.

tambor_crioula

 

Copyright® 2011-2018 Portal do Governo do Estado do Maranhão, alguns direitos reservados